ORDEM DOS ENGENHEIROS – Eleições 2016

ENGENHARIA GEOLÓGICA E DE MINAS – COLÉGIO NACIONAL 

UM NOVO MUNDO, UM NOVO PAÍS, NOVOS ENGENHEIROS

LISTA E – UM NOVO COLÉGIO

O mundo e Portugal mudaram; estão a mudar de forma dramática, enfrentando crises sucessivas – financeiras, climáticas, demográficas e de recursos.

A manutenção de um status quo passivo, quer na Ordem, quer no nosso Colégio, tem reflexos muito negativos no exercício da nossa atividade como Engenheiros Geológicos e de Minas. Muitos dos engenheiros da nossa especialidade têm abandonado a Ordem (ou, entre os mais novos, nunca se terem inscrito). Estes são problemas fundamentais que urge resolver; contudo, não podemos apenas focar-nos nos nossos problemas corporativos.

O sector mineral sofre uma crise em Portugal, quer de imagem, quer de atividade (das dezenas de grandes e pequenas minas activas, estamos hoje reduzidos aos dedos de uma mão). Falta uma estratégia racional para o sector; faltam concretizar as poucas intenções expressas.

Este é o momento em que mudamos, nos adaptamos, em que nos afirmamos.

Os Engenheiros Geológicos e de Minas enfrentam hoje diversos desafios no exercício da sua actividade profissional, quer em Portugal (por exemplo, em obras subterrâneas, na geotecnia ou mesmo no sector extractivo), quer no estrangeiro (com obstáculos no reconhecimento das nossas qualificações). Acresce que a actvidade extractiva em Portugal é fortemente limitada, num contexto em que a opinião pública, não informada, tem uma atitude negativa face à prospecção e mineração.

Pretendemos afirmar os Engenheiros Geológicos e de Minas, transformar o Colégio numa plataforma de diálogo com a sociedade, valorizando a nossa Engenharia e integrando as diversas gerações, perspectivas e conhecimentos existentes no seio do Colégio. Pretendemos também contribuir para que a Ordem dos Engenheiros realize o seu potencial, transformando-se numa instituição aberta, dinâmica, verdadeira representante de todas as engenharias, uma plataforma, não uma mera associação corporativa fechada.

As soluções que há longos anos se mantêm no Colégio Nacional, como aliás na Ordem, são limitadas e estão esgotadas.

É por isto que construímos uma visão alternativa consubstanciada na Lista E, com uma equipa e um programa para a Engenharia Geológica e de Minas.

A nossa visão para o Colégio inclui:

  • A afirmação profissional ativa dos Engenheiros Geológicos e de Minas no âmbito específico da Engenharia e, mais global, das profissões técnicas e científicas que também utilizam o espaço geológico e os recursos que ele encerra – na geotecnia e geologia de engenharia, nas obras subterrâneas, na hidrogeologia, no património histórico e cultural, no ambiente, na engenharia e gestão industrial, na prospecção, avaliação, exploração e tratamento, valorização e transformação de recursos minerais, energéticos e geológicos.
  • A transformação do Colégio num think tank, uma plataforma ativa de:
    • Reflexão acerca dos problemas da sociedade, nomeadamente os relacionados com a competitividade da economia portuguesa e com o acesso e uso sustentável dos recursos geológicos.
    • Influência e aconselhamento técnico e económico das políticas nacionais, nomeadamente através da divulgação junto da sociedade civil e das instituições e organizações públicas de informação e conhecimento técnico rigoroso acerca dos temas relevantes para os Engenheiros Geológicos e de Minas.
    • Diálogo e colaboração com outras associações profissionais nacionais e internacionais, quer nas economias mais avançadas, quer no espaço de língua portuguesa – espaço estratégico de afirmação e diferenciação dos engenheiros portugueses, quer ainda no espaço europeu.
  • A integração das várias gerações e especializações do Colégio num corpo coeso e assertivo, através de iniciativas que promovam o mútuo conhecimento e a transmissão, por um lado, da experiência adquirida nas suas carreiras profissionais e, por outro, a divulgação de novas tecnologias e ferramentas pelos seus criadores e utilizadores.

Temos uma visão, uma equipa e um programa – um projecto novo e independente. Precisamos da vossa confiança e do vosso apoio para construirmos, todos, um novo Colégio.

Precisamos – LISTA E – do vosso voto (electrónico, por correspondência ou presencial) em Abril.

Luís Chambel, Ana Luís e Joana Antunes