Chança River valley VMS cross section uncut video footage

Screen Shot 2017-05-15 at 11.06.25.png

Chança River VMS deposit (Alentejo – Portugal, Iberian Pyrite Belt)

Last week I had the opportunity to document the Chança River valley VMS deposit cross section. This small outcropping deposit is located north of the old (now abandoned) São Domingos mine – Iberian Pyrite Belt.

The 5 min (uncut, 720p) video can be seen here (yes, I need to edit it as soon as I have some time – too many reports to write just now). It was captured in 4k resolution with a DJI Phantom IV Pro drone platform. The video was taken last week – May 9 – during a field visit to the location in the FIELD EXPLORATION WORKSHOP I – Hydrothermal alteration related with massive sulphide mineralization.

Additional photo gallery available here (just click the link), including pictures of the São Domingos mine.

Camissombo – Moquita – Lucapa – Saurimo – Malanje – Luanda: ida e volta

Angola 20170313 115220

A caminho do trabalho – garimpo na Lunda Norte

Um projecto de prospecção e exploração de diamantes de aluvião levou-me, de novo, a Angola.

Estreámos uma nova tecnologia (um drone acabado de comprar; como vivemos até agora sem um?), revimos velhos amigos e fizemos novos conhecimentos, falámos com garimpeiros e ouvimos a chamada muçulmana para as orações às 4 da manhã no Lucapa, experimentámos uma (para nós) inédita viagem por estrada Camissombo – Moquita – Lucapa – Saurimo – Malanje – Luanda, atravessámos e viajámos no rio Luachimo.

Viajo (e trabalho) há vinte cinco anos para Angola; nenhuma viagem foi tão intensa. Os filmes e as fotos que irei publicando ao longo das próximas semanas são para mim forma de não esquecer; para quem já lá viveu, pretexto para recordar.

A Sínese é uma empresa especializada em Geologia Económica e Análise e Sistemas Inteligentes. Fundada em 1995, a Sínese realizou estudos técnicos, económicos e de mercado, desenvolveu sistemas de informação especializados, concebeu e implementou projetos de prospecção, avaliação, mineração de recursos minerais em diversos países e continentes – Europa (Portugal), África (Angola, República do Congo, África do Sul, Angola) e nas Américas (Canadá, Estados Unidos, Brasil, Argentina, Uruguai e Equador).
Em particular, a Sínese esteve envolvida em inúmeros projetos ligados à prospecção e mineração de diamantes jazigos aluvionares e quimberlíticos em Angola e no Brasil, de pedra natural em Portugal, no Brasil e em Angola e de ouro e/ou nióbio e tântalo (nomeadamente aluvionares) em Portugal e na República do Congo, manganês e outros metais no Brasil.
A Sínese, coordenada por Luís Chambel – luischambel@sinese.pt , é constituída por uma equipa coesa, flexível e altamente qualificada, com especialistas em diversas disciplinas técnicas e científicas, desde a Engenharia de Minas, Geológica Económica e Aplicada, Sistemas de Informação Geológica, Estatística e Análise de Dados.

Vitória Stone Fair – NEW DATES

Novas datas para a Feira de Vitória – 6 a 9 de Junho 2017

News release just received:

Vitoria Stone Fair | Marmo+mac Latin America 2017 will take place from 6 – 9 June 2017, in Espirito Santo – Brazil. The event is considered the largest stone exhibition in Latin America and the most objective, economical and efficient way to develop business in Brazil, Latin America and the global stone sector.
The fair brings together an exuberant showcase, with several types of materials with colors and unique textures. Also, novelties in machinery, equipment and stone accessories for the industry. The event attracts buyers from all continents, from importers to exporters, looking for machinery, accessories and services.

Vitória Stone Fair website

 

A política de transportes em Londres; e Lisboa?

Em Londres:

Healthy Streets for London
Prioritising walking, cycling and public transport to create a healthy city

healthy-streets-for-london

E em Lisboa?

As obras recentes (e em curso) são aquilo de que necessitamos?
É uma opção certa municipalizar o transporte público? Com importantes fluxos intermunicipais, mudando o paradigma anterior, não faz mais sentido pensar e gerir de forma integrada, metropolitana?
E interfaces para bicicletas e transportes públicos?
E estacionamentos seguros para bicicletas em espaços comerciais?
Podemos começar a pensar tendo 2040 e para lá disso como horizonte? Ou vamos continuar a reagir, sem planear?
Onde estão os recursos financeiros para uma verdadeira política de transportes?
E a electrificação dos transportes? E a integração da rede eléctrica doméstica com o transporte individual?

E nas outras cidades?
E no país profundo?

Sim, hoje o tema sai do habitual.
Não, não é a minha praia.
Mas vivo aqui.